Karl Marx

“O Manifesto do Partido Comunista”

Um texto fundamental. Pra começo de conversa, ler, anotar e discutir o Manifesto Comunista, a luz do seu próprio contexto histórico e também do nosso, reparando no que somos ainda semelhantes e no que nos distanciamos dele. Tal é o ponto de partida para uma leitura do texto.

E diria que é necessário, de tempos em tempos, sempre voltar a lê-lo, afastando-se entretanto de qualquer viés dogmático (e há quem o leia equivocadamente como se fosse livro sagrado…). É como o manifesto de fundação de toda tradição à esquerda, desde Marx, de onde podemos supor que nele ainda há algo de vigente. E há.

Continuar lendo

Integração lar-escola

O professor José Mário Pires Azanha (1931-2004) foi quem escreveu a apresentação de um livrinho publicado por aqui em 1978 e infelizmente bem esgotado – trata-se de Reflexões sobre Educação (SPaulo: Saraiva), ou Propos sur l’éducation, publicado originalmente em francês em 1932, de Émile Chartier, mais conhecido e notabilizado pelo pseudônimo ALAIN (1868-1951). O título da apresentação brasileira ficou assim: “Alain ou a pedagogia da dificuldade” – o que sugere, de partida, que pedagogia não é mesmo coisa fácil, por um lado, e que enfrentar as dificuldades exige escapar das soluções simplistas, por outro.

Alain [Émile Chartier] (1868-1951)
Alain [Émile Chartier] (1868-1951)
Zé Mário, com a sobriedade que lhe era muito característica, traçava um panorama do ideário pedagógico de Alain – professor do ensino normal da República Francesa, em inícios do séc. XX. Continuar lendo

Um verbete: CIÊNCIA

Raymond Williams. Palavras-Chave: um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo, Boitempo, 2007, pp. 78 a 82. Tradução Sandra Guardini Vasconcelos.
Raymond Williams. Palavras-Chave: um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo, Boitempo, 2007, pp. 78 a 82. Tradução Sandra Guardini Vasconcelos.

Raymond Williams, um dos nomes de referência para os estudos culturais, elucida como o termo inglês (science) foi sendo usado ao longo do tempo e conformando o que entendemos hoje como ciência, pelas distinções relativas a outros termos e pela especialização que assimilou em seu significado.

É importante ressaltar, todavia, que o mesmo não ocorreu em língua francesa – e muito menos em português, em que usamos uma expressão estranha aos ouvidos de quem fala inglês: as tais “ciências humanas”…

Continuar lendo

Sala de aula

Por que somos contra a transferência compulsória?

Logo Toninho Vespoli 1

A “transferência compulsória” retoma uma prática que foi abandonada já há algum tempo pelas escolas exatamente por ferir o direito à educação de todas as crianças e que nunca foi capaz de responder aos verdadeiros motivos da indisciplina.

Do site do vereador Toninho Vespoli (PSOL), reproduzo a matéria a seguir, que ajudei a escrever, bem como o Parecer mencionado na matéria (com o devido link). — Atualizado em 28/11/13. Continuar lendo

Sala de aula

Um singelo Projeto de Lei: “O nome da escola”

Logo Toninho Vespoli 1

Não é difícil imaginar que, no caso de nomear ruas ou escolas, os vereadores escolham entre seus próximos para homenagear ou fazem as homenagens para aqueles que querem tornar mais próximos, supondo alguns dividendos eleitorais…

O mandato do vereador Toninho Vespoli protocolou um Projeto de Lei que “dispõe sobre a anuência da comunidade escolar para a denominação do respectivo estabelecimento de ensino da rede municipal”. Continuar lendo

Slide50

“Plano Diretor: a participação popular que queremos”

Logo Toninho Vespoli 1

A discussão em torno do Plano Diretor Estratégico da Cidade de São Paulo, que definirá normas e parâmetros para o desenvolvimento do município, deveria ser ocasião para debatermos e avançarmos sobre esta perspectiva de ampliação da participação popular.

Artigo publicado na revista “Plano Diretor Estratégico: A São Paulo do Futuro”, da Câmara Municipal de São Paulo, agosto 2013. Continuar lendo

Slide51

“Paulo Freire, presente!”

Logo Toninho Vespoli 1

“Permitam-me então uma breve consideração sobre o significado desta premiação que leva o nome de Paulo Freire, porque, talvez, ele estranhasse uma premiação com o seu nome, e talvez nem desejasse isto – muito embora queiramos sempre dar as devidas homenagens àqueles que prezamos.”

Discurso por ocasião da entrega do “Prêmio Paulo Freire de Qualidade do Ensino Municipal” Continuar lendo

Blog de Filosofia e outras coisas mais